Chuva fraca e mudança na temperatura marcam chegada do inverno nesta quarta (21)

Por em 19/06/2017
A partir desta segunda (19) uma massa de ar seco domina as condições do tempo na Região Sudeste na semana que marca a chegada do inverno. O início da estação começa às 01h24 do dia 21 de junho e termina em 22 de setembro, com o início da primavera. 

A mudança no clima começa na terça-feira, na região metropolitana do Rio de Janeiro e na Região dos Lagos com grande possibilidade de pancadas de chuva. A temperatura já não sobe tanto como foi característica nestes dias de feriado prolongado de Corpus Christi, com dias quentes e noites mais frias. Na quarta-feira, a previsão é de que a frente fria tenha se afastado da costa do Rio de Janeiro, mas os ventos mais frios e úmidos marítimos formam nebulosidade. No centro-sul e também na região metropolitana do estado, o tempo vai permanecer mais instável, ainda com possibilidade para chuvas isoladas. A temperatura fica baixa o dia todo. O mesmo acontece na Região dos Lagos, que a partir de quinta-feira, tem chuva fraca e isolada.

Segundo o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (Cptec), nas Regiões Sudeste e Centro-Oeste este trimestre é considerado o menos chuvoso do ano no que se refere a distribuição de chuvas. Neste período, o principal sistema meteorológico é a frente fria. Este sistema é, geralmente, de fraca intensidade, embora possa ocorrer a passagem de algum sistema frontal mais intenso, causando chuvas generalizadas nas Regiões Sul e Sudeste. Após a passagem de frentes frias, observa-se a entrada de massas de ar frio que, dependendo da trajetória e intensidade provocam queda de temperatura e ocasionalmente geadas em locais serranos.

Outro aspecto meteorológico que se observa durante o inverno, são as constantes inversões térmicas que causam nevoeiros e neblinas. Estas inversões, muitas vezes, permanecem durante o período da manhã. O nevoeiro consiste na existência de gotículas d’água que flutuam no ar e reduzem a visibilidade a menos de 1000 m. Além da redução da visibilidade, um outro fator importante é o alto índice da umidade relativa do ar, cujos valores alcançam até 98% no período da manhã. O contrário ocorre no período da tarde, após a dissipação do nevoeiro, quando o índice da umidade relativa do ar diminui consideravelmente, chegando a registrar valores de até 40%. O ar seco e o vento calmo favorecem a formação da bruma - substâncias sólidas suspensas na atmosfera, tais como poeira e fumaça - poluindo o ar.


Frio, clima úmido e mudanças bruscas de temperatura: situação propícia às doenças de inverno

O cenário acima é o ambiente ideal para que as doenças típicas de inverno acometam as pessoas. Acrescente nesta fórmula a aglomeração em locais quentes e fechados na tentativa de se aquecer do frio. Pronto. Todos os ingredientes reunidos para a propagação de vírus e bactérias de doenças virais como gripes e resfriados, que são transmitidas pelo ar ou por contato físico.

A diminuição de ingestão de líquidos e de atividades físicas, que são fundamentais para o bom funcionamento do organismo, também influenciam o adoecimento. Cardíacos, hipertensos, idosos, diabéticos, gestantes e crianças devem redobrar os cuidados com a saúde com a queda acentuada da temperatura.

Segundo especialistas da rede municipal de Saúde de Cabo Frio, para prevenir as doenças desta época do ano, é fundamental manter hábitos como ventilação do ambiente, conservar as roupas de cama limpas, beber bastante líquido, evitar lugares fechados e pouco arejados, não sair com os cabelos molhados após banho quente, agasalhar-se adequadamente, lavar frequentemente as mãos e manter as vacinas em dia. As principais doenças de inverno são asma, rinite alérgica, bronquite, sinusite, gripe e pneumonia.