Motocicleta foi o primeiro veículo a motor a trafegar em Cabo Frio

Por em 11/11/2017

Você sabia que o primeiro veículo motorizado que trafegou em Cabo Frio foi uma moto? Isso aconteceu em 1917, quase 10 anos antes da Ford inaugurar a primeira revendedora de automóveis na cidade. Essas e outras curiosidades históricas foram abordadas na palestra “Evolução do arruamento de Cabo Frio até 1950” que o professor e historiador José Francisco de Moura apresentou ontem à noite na subsede da Biblioteca Municipal Professor Walter Nogueira, em São Cristóvão, dentro do 8º Ciclo de Mini Palestras, em comemoração aos 402 anos de Cabo Frio, comemorados nesta segunda-feira (13).


SAIBA MAIS

Biblioteca Municipal promove 1º Concurso Cultural para deficientes visuais

Biblioteca Municipal de Cabo Frio encerra programação cultural dia 21 de dezembro

8º Ciclo de Mini Palestras da Biblioteca Municipal está com inscrições abertas

 

Embora seja especialista em história da Grécia, Chicão (como é mais conhecido o palestrante) contou que há cerca de 5 anos decidiu pesquisar a história de Cabo Frio, ajudando e sendo ajudado por vários historiadores da cidade. Dessa pesquisa nasceu a palestra e, em breve, um livro sobre a história de Cabo Frio, e com um farto acervo de fotos e documentos praticamente desconhecidos do grande público. Um desses documentos é o primeiro mapa de Cabo Frio que se tem conhecimento. Datado de 1847, ele revela o que seriam os primeiros caminhos da cidade, ligando o primeiro núcleo de povoamento (bairro Passagem) ao canto da Praia do Forte, e também alguns caminhos criados pelo segundo núcleo de povoamento (Itajuru).

 

“Esses dois primeiros povoamentos de Cabo Frio início as duas principais facções políticas da cidade no século 19: os Liras (Passagem), basicamente liados à pesca, e os Jagunços (Itajuru), oriundos de fazendas. E graças a esses dois grupos surgiram os primeiros caminhos da cidade, abertos por conta do transporte a cavalo, que era o único meio de transporte naquela época. Eram caminhos abertos em meio à vegetação de restinga”, contou Chicão, lembrando que os primeiros povos de Cabo Frio surgiram no entorno do Canal do Itajuru. “A Praia do Forte foi o último lugar a ser ocupado, e quase não era frequentada na época por ser considerada muito longe”, lembrou.

 

Somente em 1870 um outro mapa começou a revelar o surgimento do que seriam as primeiras ruas de Cabo Frio e o início da construção de outros pontos da cidade: Rua da Praia, Largo da Matriz, Morro da Guia, Igreja da Matriz e Largo de Santo Antonio. Anos mais tarde, em 1897, Cabo Frio ganhou sua primeira ponte, a Ponte de Ferro, que caiu em 1920 e foi substituída seis anos depois pela primeira Ponte Feliciano Sodré, que liga o Centro à Gamboa.

 

Em 1905, uma foto de Picarelli, mostra a Rua da Assunção, onde hoje, segundo Chicão, seria a Praça Dom Pedro II (em frente ao Solar dos Massa). Na mesma época, uma outra foto de Picarelli (pertencente ao arquivo de Wolney Teixeira) revela o surgimento da chamada Rua Direita.

 

“Essa época foi o auge da luta entre Liras e Jagunços pelo revezamento político em Cabo Frio. Em janeiro de 1907 foi quando o prédio dos Liras pegou fogo, matando várias pessoas, e por conta disso, em 1908 a Festa do Divino foi cancelada porque o clima ainda estava pesado”, relembrou o professor.

 

Em 1915, uma foto de Augusto Malta revela o crescimento de Cabo Frio. No material ele mostra o surgimento do que hoje é a Avenida Teixeira e Souza, no trecho próximo à Igreja Matriz Nossa Senhora da Assunção. Na época uma rua de terra, sem nenhum nivelamento entre as casas e a rua. “As casas ficavam num nível muito acima da rua. O declive entre as casas e a rua era bem grande”, revelou Chicão.

 

Era 1917 quando um veículo motorizado trafegou pela primeira vez em Cabo Frio. “Descobri numa notícia publicada no canto de um jornal da época que um morador havia trazido uma motocicleta para a cidade, e que acabou sendo preso por causa do intenso barulho do motor. Infelizmente a notícia não trazia o nome deste morador, mas o que chama a atenção é que a primeira revendedora de veículos só chegou na cidade em 1926. Na inauguração, o prefeito da época, Augusto Lourenço, foi o primeiro a comprar um carro, e as ruas ainda eram todas de chão”, contou Chicão.

 

Nesta mesma época, ele lembra, aconteceu o primeiro acidente de trânsito em Cabo Frio. “Cacilda Santa Rosa foi dar uma volta de carro com as amigas pelas dunas da Praia do Forte, e o carro acabou virando. Felizmente ninguém morreu, mas como os carros daquela época eram de ferro, uma das passageiras ficou com ferimento grande no rosto”. Chicão lembra que a família Santa Rosa também foi a primeira a fazer uma grande viagem de carro. “Alfredo Santa Rosa levou 10 horas de Cabo Frio para Niterói”.

 

Na palestra, Chicão lembrou que a antiga Estrada dos Passageiros, hoje Avenida Wilson Mendes, foi a primeira estrada de Cabo Frio. “Diferente do que acontece hoje, a entrada de Cabo Frio era pela Estrada dos Passageiros, e a travessia para o lado de cá era feita de barco antes da construção da Ponte de Ferro, em 1897. A entrada pela Praia do Siqueira, como é hoje, é coisa recente”, contou o palestrante.

 

Com os caminhos da cidade se formando, em 1931 a Empresa Norte Fluminense de Transporte criou a primeira linha de ônibus circular de Cabo Frio, com saídas a cada 30 minutos na linha Passagem x Itajuru, Itajuru x Passagem. “Os veículos eram pequenos, cerca de 10 passageiros, e extremamente desconfortáveis, e como as ruas ainda eram de chão e cheias de buracos, a viagem não devia ser nada agradável”, relembra o professor. Só em 1946 Alexis Novelino fundou o que hoje é a Auto Viação Salineira, na época com apenas quatro ônibus de pequeno porte.

 

Uma outra foto, de 1932, mostra o que hoje é a Avenida Assunção, já com os canteiros centrais separando as duas pistas, ainda de terra batida. Nesta época a frota de carros na cidade, segundo Chicão, ainda era bem tímida. “Em 1960 Cabo Frio tinha apenas 600 carros”.