Solar dos Massa sedia exposição fotográfica "Cabo Frio minha terra amada"

Por em 09/11/2017

Mais uma iniciativa cultural vai marcar as comemorações do aniversário de Cabo Frio. Nesta sexta-feira (10), às 20h, será aberta a Exposição de Fotografia "Cabo Frio minha terra amada", no Solar do Massa (sede oficial da Biblioteca Walter Nogueira), na rua Major Belegard, nº 47, no Centro. A mostra fica em cartaz durante todo o mês de novembro, com visitação das 8h às 17h.


SAIBA MAIS:

V Mostra de Filmes “Memória em Movimento" começa nesta sexta

Programação do VII Encontro Fluminense do Patrimônio começa nesta quarta (8)

Livro que conta a história da Estrada de Ferro Maricá será lançado em Cabo Frio

 

A iniciativa é uma homenagem da Associação dos Fotógrafos de Cabo Frio (Afocaf) pelos 402 anos de fundação da cidade, e tem apoio da Secretaria Municipal de Cultura. Ao todo, são 16 imagens de dez fotógrafos que retratam locais e momentos da cidade, como o pôr-do-sol na Praia do Siqueira, a Capela de Nossa Senhora da Guia, barcos, Igreja de São Benedito, entre outros.

 

Para o subsecretário de Cultura, João Félix, a exposição é uma oportunidade de sensibilizar o público para a beleza da cidade e do seu cotidiano, através do olhar diferenciado dos fotógrafos. "É uma contribuição muito importante da Afocaf nesse momento de comemoração do aniversário da nossa cidade. Afinal, com o olhar dos fotógrafos, são registrados momentos e sutilezas que no nosso dia a dia comum, muitas vezes não conseguimos captar", afirmou.

 

Um dos fotógrafos a participar da mostra, Frederico Santa Rosa conta que apenas associados da Afocaf estarão participando da homenagem. “Quando recebemos o convite do Solar dos Massa aceitamos na hora, porque entendemos que lá é a casa do fotógrafo, já que abriga o acervo de Wolney Teixeira, o grande mestre da fotografia de Cabo Frio”.

 

Além da abertura da exposição de fotos, também nesta sexta-feira, das 17h às 20h, o Solar dos Massa vai sediar a exibição do filme "13ª Emenda", um documentário produzido pela Netflix que aborda os estágios da construção histórica do preconceito, e aponta como a formulação racista contribuiu para associar os negros ao mundo do crime e, por consequência, chancelar seu aprisionamento através de um processo de encarceramento em massa. O título do filme se refere à emenda da Constituição norte-americana, por meio da qual ninguém pode ser submetido à escravidão ou ao trabalho forçado, “salvo como punição de um crime”.