Viúva cede piano histórico para o Charitas

Por em 06/11/2017

Neste mês de novembro a Casa de Cultura José de Dome (Charitas), em Cabo Frio, completa 180 anos de história. Para comemorar a data, a Secretaria de Cultura fez um levantamento de algumas histórias que marcaram o espaço, e também de ações que foram motivadas pela importância do prédio para a cultura da Região dos Lagos. Uma dessas histórias tem como personagem a Dona Aparecida, viúva do saudoso Marcos Rangel, músico conhecido na cidade.


SAIBA MAIS:

"Há de Seresta Vez” leva música ao Solar dos Massa

Concerto no Canto do Forte presta homenagem às vítimas do acidente da barragem em Mariana

Biblioteca Municipal celebra a Semana da Consciência Negra com filmes e debates


Atualmente o Charitas possui dois pianos disponíveis para as atividades culturais, um próprio do espaço, e um emprestado por Dona Aparecida, “para que a cultura e a música continuem sendo disseminadas em Cabo Frio”, justificou ela. O instrumento, ela conta, era de seu falecido marido, Marcos Rangel, músico apaixonado pelo Charitas, e que passou boa parte de sua vida freqüentando as dependências da Casa de Cultura.

O piano é uma peça rara, e que tem contribuído de maneira significativa para os músicos da cidade. Segundo o Superintendente de Cultura de Cabo Frio, Carlos Ernesto Lopes, “esse piano é de grande utilidade para a comunidade cabo-friense, pois pianistas profissionais têm a possibilidade de ter contato com o instrumento, tão difícil de se achar hoje em dia”.

A peça é um piano Lux vertical, com dois pedais, 85 notas, cordas cruzadas, teclado Elfinite e caixa de imbuia maciça. O instrumento foi adquirido na Fábrica de Pianos "Lux", em Vila Izabel, em 1934. Já são mais de 80 anos de história e música. Dona Aparecida conta que escolheu a Casa de Cultura para o instrumento por conta do carinho que seu saudoso marido sentia pelo Charitas.

 

“Marcos amava esse piano e era um frequentador assíduo do Charitas. Ele sempre contemplava a todos com belas músicas e com interessantes conversas sobre os temas culturais. Amava música, e acordava sempre de madrugada para fazer composições. Estava sempre presente nos recitais, e antes de partir fez questão de deixar registrado sua vontade de que o piano fosse emprestado para o Charitas”, conta Dona Aparecida.

O Charitas possui um piano principal, que é reservado para os recitais. O piano de Dona Aparecida só é usado em ocasiões especiais. Para o secretário de cultura de Cabo Frio, Ricardo Machado, a possibilidade de contar com um piano com uma história tão rica e cedido por uma pessoa tão apaixonada pelo Charitas, é algo sem precedentes:

“Para nós foi um presente sem igual. Estamos fazendo bom uso do piano, e o preservaremos com todo zelo necessário. Não é só um bem pessoal, é um patrimônio histórico-cultural de Cabo Frio”, destaca o secretário.