História

Cabo Frio foi descoberto por Américo Vespúcio em 1503, tendo sido alvo constante de ataques piratas franceses e holandeses na exploração do pau-brasil que era de excelente qualidade. Habitada pelos índios tamoios, os portugueses procuravam a ajuda deles para a exploração do local.

Como o litoral nordestino era muito vigiado pelos portugueses, os franceses estavam cada vez mais explorando o sudeste do Brasil e Cabo Frio era um dos seus pontos preferidos. O franco domínio na região foi estabelecido no ano de 1556 com a construção de uma feitoria denominada "Casa da Pedra" na região que hoje é a cidade de São Pedro da Aldeia. E este domínio era crescente com a união deles com os índios que habitavam a região naquela época.

Em 1575, o governador do Rio de Janeiro, Antônio Salema organizou um exército de portugueses e índios catequisados para acabar com o domínio franco-tamoio que durava há anos em Cabo Frio. A Guerra de Cabo Frio devolveu a supremacia portuguesa à cidade. Estima-se que mais de dez mil índios foram mortos, juntamente com os franceses que os apoiavam. Os que sobraram se refugiaram para o interior do país ou foram escravizados. Ao final da Guerra de Cabo Frio, os portugueses voltaram para o Rio de Janeiro e a região voltou a ser fonte de contrabando dos franceses, holandeses e ingleses.

Somente em 1615 a cidade de Cabo Frio foi fundada. Isto porque o rei Felipe II ordenou a Constantino Menelau, governador do Rio de Janeiro na época, que fosse a Cabo Frio afugentar de uma vez por todas os corsários. Assim, em 13 de novembro de 1615 foi fundada a cidade de Nossa Senhora de Assunção do Cabo Frio. Para segurança do local foi construído o Forte de Santo Inácio no local da "Casa da Pedra" e criou-se uma aldeia para abrigar os índios aliados, atualmente onde se localiza a cidade de São Pedro da Aldeia.

O primeiro governador de Cabo Frio foi Estevão Gomes, um rico fazendeiro e comerciante de escravos. Gomes era considerado capaz, corajoso e por isso foi escolhido para ocupar o cargo. Tinha como missão principal evitar o contrabando e invasões estrangeiras e, para isto, ergueu o Forte de São Matheus que foi concluído em 1620.

Para povoar e habitar o território, Estevão Gomes concedeu sesmarias, principalmente entre as ordens religiosas. A distribuição de terras estimulou a formação da cidade. A Câmara Municipal foi criada e a cidade passa a ter uma vida política e administrativa.

Atualmente Cabo Frio é um grande centro turístico com vasta rede de hotéis e pousadas para turistas nacionais e estrangeiros aproveitarem suas belezas naturais. As praias são famosas pela areia branca e fina. O clima tropical, onde o sol brilha forte o ano inteiro e quase não chove, estimula fortemente este turismo praiano.

Principais Momentos

A Guerra de Cabo Frio em 1575

A chamada "Guerra de Cabo Frio" aconteceu em 1575. O governador do Rio de Janeiro, Antônio Salema, reuniu poderoso exército com integrantes da Guanabara, São Vicente e Espírito Santo.

Ler Mais

A Colonização em 1615

Já em 1615, o governador do Rio de Janeiro, Constantino Menelau, associou-se secretamente aos ingleses para traficar pau-brasil em Cabo Frio. Neste mesmo ano, o governador foi obrigado a combater navios holandeses que aportavam na região.

Ler Mais

Início do Desenvolvimento Urbano em 1650

Entre 1650 e 1660, a grave crise do sal português que desabasteceu o Brasil, chamou a atenção metropolitana para a cristalização natural do produto na Lagoa de Araruama.

Ler Mais

Dois Séculos de Expansão em 1720

Já no início do século XVIII, o Forte de São Mateus foi guarnecido e rearmado. A defesa da capitania passou a contar também com um terço de infantaria, além de um regimento de cavalaria.

Ler Mais

A Visita Imperial em 1847

A visita que Dom Pedro II fez à cidade, em 1847, estreitou as relações especiais que Cabo Frio mantinha com o governo imperial, tendo sido doada uma quantia para a construção da cobertura da Fonte do Itajuru.

Ler Mais

A Questão Negreira em 1875

Duas questões relativas aos escravos estremeceram Cabo Frio ao longo do século. A primeira refere-se ao crescimento das fugas, assassinatos de feitores e rebeliões de negros, resultando na formação de quilombos.

Ler Mais