Ação educativa em Cabo Frio e Tamoios marca o Dia de Luta contra a Hanseníase

“Janeiro Roxo” é o mês da prevenção para a hanseníase, doença na qual o Brasil é líder mundial em incidência, conforme informações da Organização Mundial de Saúde (OMS). Para incentivar o diagnóstico precoce em Cabo Frio, a Secretaria de Saúde promoverá palestra educativa no PAM de São Cristóvão e de Santo Antônio, no próximo dia 31 (quarta-feira) das 9h às 16h, e no PS de Unamar, no dia 01 de fevereiro, das 9h às 16h.


SAIBA MAIS: 


Programa Saúde Escolar ensina higiene bucal aos alunos das
escolas do município

Prefeito de Cabo Frio é eleito presidente do Consórcio
Intermunicipal de Saúde da Baixada Litorânea

Unidades de saúde de Cabo Frio vão ganhar 356 novos
equipamentos


A iniciativa, que marca o Dia de Luta contra a Hanseníase, celebrado no dia 31, é promovida pela Coordenação dos Programas de Tuberculose e Hanseníase de Cabo Frio. No PAM de São Cristóvão, além da palestra da dermatologista Bianca Guaraldi, haverá distribuição de folders e apresentação de vídeos sobre a doença e o preconceito que a envolve. A equipe do programa TB/Hansen participa das atividades do dia.

No PAM de Santo Antônio, no distrito de Tamoios, haverá atividade de Educação em Saúde promovida pelos enfermeiros Giselle Matias e Francisco Vale. No Posto de Saúde de Unamar, também no distrito, a ação será realizada pela equipe do dermatologista Gelson Guaraldi com distribuição de folders. Vale destacar que nos últimos cinco anos Cabo Frio não registrou mais do que 20 casos da doença, sendo quatro em 2017 contra 12 no ano anterior.

“Nosso principal objetivo é mostrar para as pessoas o quanto é importante o diagnóstico precoce, como em tudo no que se refere à saúde. Quanto mais cedo a doença for descoberta, maior a chance de sucesso do tratamento. A doença não tratada a tempo pode deixar sequelas graves, que podem, inclusive, impossibilitar o indivíduo de trabalhar”, alertou Veleida Silva, da Saúde Coletiva de Cabo Frio.

O primeiro mês do ano foi escolhido e denominado “Janeiro Roxo” pela Sociedade Brasileira de Hansenologia (SBH) para fomentar o combate à doença. Este ano, o tema da campanha nacional é “Todos contra a Hanseníase”. Nos dias 24, 26 e 27 de janeiro são comemorados, respectivamente, o Dia do Hanseniano, o Dia Mundial de Combate à Hanseníase e o Dia Estadual de Combate à Hanseníase.

Apesar do termo de compromisso mundial assinado pelo governo brasileiro em 1991 comprometendo-se a eliminar a doença até 2010, a cada ano surgem cerca de 40 mil novos casos de hanseníase. Dentre eles, diversos indivíduos em situação de deformidade irreversível.

SAIBA MAIS SOBRE A HANSEN

Fonte: Ministério da Saúde, Fiocruz


A doença

A hanseníase, assim denominada oficialmente desde 1976, é uma das doenças mais antigas na história da medicina. É causada pelo bacilo de Hansen, o Mycobacterium leprae, um parasita que ataca pele e nervos periféricos, mas pode afetar outros órgãos como o fígado, os testículos e os olhos. O período de incubação após contágio varia, em média, de dois a sete anos. Não é uma patologia hereditária.

Os sintomas

A primeira manifestação consiste no aparecimento de manchas dormentes de cor avermelhada ou esbranquiçada ou amarronzada, em qualquer região do corpo, com perda ou alteração de sensibilidade térmica (ao calor e frio), tátil (ao tato) e à dor. As manchas podem estar principalmente nas extremidades das mãos e dos pés, na face, nas orelhas, no tronco, nas nádegas e nas pernas. Placas, caroços, inchaço, formigamento, febre, sangramento, ferida, ressecamento do nariz e dos olhos, além de fraqueza muscular e dor nas articulações podem ser outros sintomas.

A transmissão

A doença é transmitida principalmente pelas vias áreas superiores, caso o portador não esteja sendo tratado. Segundo a OMS, a maioria das pessoas é resistente ao bacilo e não a desenvolve. Cerca de 95% dos parasitas são eliminados na primeira dose do tratamento, tornando o indivíduo incapaz de transmiti-los a outras pessoas.

As sequelas

A demora no tratamento pode resultar em sequelas, inclusive permanentes.

Ao atingir o nervo, pode levar a alterações sensitivas, motoras, gerando deformidades nas articulações das mãos. O paciente pode ter dificuldade de movimento em alguma parte do corpo e enervação das glândulas, que prejudica a lubrificação da pele.


Últimas Notícias

Sua Denúncia foi enviada com sucesso

As informações foram  enviadas para seu e-mail.