Cabo Frio possui escola referência em educação de surdos

Há 32 anos a Escola Municipal Arlete Rosa Castanho, localizada no bairro Vila Nova, vem contribuído de maneira significativa para a educação de surdos no município de Cabo Frio, sendo referência para a Região dos Lagos. Atualmente, a unidade escolar possui cerca de 60 alunos, da Educação Infantil ao Ensino Médio, oferecendo uma educação bilíngue – em Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS), que deve ser a primeira língua dos surdos, e em Língua Portuguesa. A escola é protagonista no Dia Nacional de Educação de Surdos, comemorado nesta segunda-feira (23 de abril).


SAIBA MAIS

Docentes do processo seletivo fazem escolha de lotação nesta sexta-feira


A diretora da unidade, Kátia Cardoso de Sant’Anna Ferreira, ressalta a proposta bilíngue como o grande diferencial da escola. “Possuímos professor de Libras para alunos, professores, funcionários e pais”, destaca, acrescentando que o maior desafio é que a LIBRAS seja a primeira língua dos alunos, pois muitos são filhos de pais ouvintes e, em alguns casos, a aquisição acaba ocorrendo tardiamente. “A Língua Brasileira de Sinais é condição de integração social para o surdo, possibilitando a ampliação das interações sociais e inclusão no universo cultural”, defende a diretora, citando que as ações da escola também estendem-se aos familiares, com o objetivo de garantir escolaridade e o pleno desenvolvimento social dos alunos. A escola possui professores ouvintes e surdos.


Formação profissional


A habilitação dos profissionais que atuam na rede municipal de Ensino é uma das propostas da Gerência de Educação Especial da SEME. Pelo segundo ano consecutivo, o município recebe assessoria técnica do Instituto Nacional de Educação para Surdos (INES), do Governo Federal. Entre os dias 8 e 10 de maio, cerca de 150 profissionais da rede municipal de Ensino, entre professores, auxiliares de classe e equipe técnica, participarão de uma capacitação com foco na educação de surdos. A formação contempla discussões e reflexões sobre a necessidade da LIBRAS ser a língua materna dos surdos e, ainda, a parte prática, com a produção de material pedagógico específico para esse público. Representantes das 87 unidades escolares da Rede participam das atividades, em especial os que atuam nas 37 salas de recursos, que são locais adaptados para atender alunos com deficiência.


A rede municipal possui alunos inclusos, com baixa acuidade, em várias escolas, além do atendimento específico da Arlete Rosa Castanho. Faz parte da proposta da SEME ofertar um curso de LIBRAS para professores e profissionais que atuam diretamente com o aluno surdo.


Últimas Notícias

Sua Denúncia foi enviada com sucesso

As informações foram  enviadas para seu e-mail.