Saúde alerta para importância da prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama

Nos dias 4 e 5 de fevereiro são celebrados, respectivamente, o Dia Mundial Contra o Câncer e Dia Nacional da Mamografia, datas que marcam a luta contra os vários tipos de cânceres e a importância da prevenção da doença. No caso das mulheres, o câncer de mama é o mais frequente depois do câncer de pele, do tipo não melanoma. Já o de colo do útero é o terceiro mais recorrente e a quarta causa de morte entre o público feminino.


SAIBA MAIS

Fase eliminatória do processo seletivo exige comprovação de dados


O dia de luta contra o câncer foi instituído pela União Internacional para o Controle do Câncer (UICC), em 2005, e tem como principal objetivo fazer com que o maior número de pessoas ao redor do planeta debata sobre a doença. Em relação ao câncer de mama, 57 mil mulheres são afetadas por ano, mas em 98% dos casos o tumor é curável se detectado em fase inicial. O diagnóstico precoce, um poderoso aliado nestes casos, pode evitar a retirada do seio.


Em Cabo Frio, entre 2016 e 2017, foram realizadas 14.090 mamografias, enquanto os exames preventivos totalizaram 58.115 no mesmo período. Há uma discussão sobre a idade ideal para que a mulher comece a fazer a mamografia. O Ministério da Saúde recomenda a realização do exame a partir dos 40 anos, ou antes, caso haja casos na família. Em países desenvolvidos, entretanto, a recomendação
começa a partir de idades entre 35 e 40 anos.


“A mamografia é de suma importância porque através desse exame conseguimos detectar as alterações da mama que ainda não podem ser sentidas pela mulher no auto-exame. Embora este último também seja importante, a mamografia é a melhor forma de descobrir a doença precocemente, aumentando as chances de cura completa”, afirmou Leonardo Amaral, ginecologista, obstetra e diretor do Centro de Saúde Osvaldo Cruz (CSOC), no Braga.

Em relação ao câncer do colo de útero, este é o tipo mais frequente entre as mulheres e o quarto que mais mata no Brasil. Segundo os órgãos de controle no país e no mundo, a prevenção é a melhor saída e a prova é a evolução do diagnóstico precoce. Enquanto na década de 90 cerca de 70% dos casos diagnosticados eram da doença invasiva (o estágio mais agressivo), atualmente 44% são de lesão precursora do câncer, ou seja, em estágio inicial e localizado.


Segundo especialistas, a sensibilidade à mamografia é de 78%. Além deste exame, também podem ser feitos ultrassom, para complemento, entre outros métodos, mas tudo depende da orientação do médico. Atualmente existe um novo exame chamado tomossíntese, mais eficaz que a mamografia, mas pouco difundido no Brasil, e ainda não disponível na rede pública no país. Custa em média 50% a mais que o exame comum, mas pode identificar um tumor em estágio bem menos evoluído que a mamografia.


“Atualmente, no Brasil a mamografia é o exame mais eficaz para diagnóstico de câncer de mama. Antes disso só se a mulher apresentar algum nódulo e tiver casos na família. Sem a mamografia, não é possível fazer o diagnóstico da doença, por isso é tão importante fazer o exame regularmente”, destacou Vanilda Braz, administradora do serviço de radiologia do PAM de São Cristóvão, e que atua na área há mais de 20 anos. Segundo ela, de toda a Baixada Litorânea, Cabo Frio é o município que mais realiza este tipo de exame.


Últimas Notícias

Sua Denúncia foi enviada com sucesso

As informações foram  enviadas para seu e-mail.